domingo, 1 de novembro de 2015

Anotações soltas sobre o R&C

Análise meramente desportiva ao Relatório & Contas (após leitura do magnífico trabalho do blogger Benfica Eagle), logo excluindo outras vertentes importantes, sendo que o core business é o futebol:

- Gastámos cerca de 11M€ em Derley, Taarabt e Carcela. Péssimo, péssimo. Aquisições perto do ruinoso, sobretudo o primeiro e o segundo, e que apenas "tapam" miúdos do Seixal com mais valor e potencial. E mais dizem-me que se acabaram as aquisições ao quilo e os camiões de jogadores do tempo de Vale e Azevedo. Milhões inexplicavelmente gastos em jogadores que à partida sabíamos que não teriam valor para envergar a camisola do Benfica... Mas sou eu que sou abutre, claro!Como explicar Pizzi por 6M€ por 50%?! O que fez ele para justificar este preço? Este dinheiro não serviria para comprar 100% de um bom nº 8? Funes Mori por perto de 5M€?! Já sabíamos de tudo isto, é certo, mas continua a incredulidade perante estes valores. E mais incrédulo fico ao ver que há gente que acha tudo isso normal. E já vamos em 22M€ gastos de um modo totalmente desfasado do real e irresponsável... E nós com tantas lacunas no plantel. E Djavan, que nem sequer entrou na Luz, custou 1M€... Mais Benito, que custou 3M€ e nunca contou verdadeiramente para equipa técnica!

- Nas vendas, tivemos um abrandamento notório na valorização dos atletas. E apesar de termos registado ganhos interessantes, fruto das boas campanhas ao nível interno, percebemos que a dialéctica da valorização e venda dos jogadores é claramente exagerada. Senão vejamos: em Enzo, apenas ganhámos 18,7M€ dos propalados 25M€. Nos famosos pack's 15M€ pelos jovens entraram na Luz valores abaixo dos 13M€. Mesmo assim, isto sublinha o potencial da formação. Com Oblak "apenas" ganhámos 9.4M€... Para não falar em Garay, que continuo a insistir: foi mau de mais e danoso... 

- Entre outras maiores ou menores surpresas, registamos que os valores que são anunciados em praça pública na defesa das negociações do Benfica são um pouco distantes do real. E o mito de Vieira implacável negociador é mesmo isso: um mito criado pela Imprensa. E apesar de se confirmarem que o pack 15M de euros é real, falta apurar o verdadeiro custo dos atletas e falta perceber que implicações nos nossos negócios futuros, pois ninguém com juízo acredita que na altura que saíram estes jogadores valiam esse montante. Mas sim, o valor está lá e mostra bem a qualidade dos atletas. E aponta-nos outro dado: a percentagem que o Benfica recebe quando transacciona o "seu produto" é maior. Só é pena que essa primeira geração tenha sido "queimada". Mais um custo colateral da gestão JJ. Falta perceber se a geração actual do Seixal é tão boa quanto a anterior. 

- Nas deduções, percebemos uma realidade: o futebol depende cada vez dos intermediários e do nosso posicionamento para com eles depende a aquisição de bons valores. Case in point: Lazar Markovic. O sérvio era um promissor futebolista, mas sem "terceiros", nunca conseguiríamos a sua compra. Não é má estratégia, mas deve ser feita com extremo cuidado. Senão teremos a repetição do péssimo negócio de Ola John. Por isso, a valorização e posterior venda tem de ser um assunto tratado com cuidado extra. Milagres negociais? Yeah, right!

- Gastar 26M€ em 7 jogadores como Derley, Taarabt, Carcela, Pizzi, Mori, Djavan e Benito roça a gestão danosa. Até porque não falamos em jovens promessas, mas sim em jogadores já com alguma idade e sem grandes perspectivas de valorização. Certo que 3 já foram vendidos. Mas isso comprova um descontrolo total na política de aquisições do Sport Lisboa e Benfica, sem certezas do que se está a fazer. Isto sem falar em jovens atletas como César e Victor Andrade, que nos custaram 6M€ e ainda estamos para ver a sua utilidade real. E que concorrem com miúdos nossos, atrasando a sua evolução ou possível aposta. Exemplo: Fábio Cardoso tem feito excelentes épocas em Paços de Ferreira. Havia necessidade de gastar 2M€ no César? Creio que não. 

- O dispêndio de 90M€ em jogadores nos dois últimos anos é uma exorbitância! Com apenas 4 atletas a serem titulares. É certo que somos bi-campeões. Mas é incontornável: desses 90M€ só mesmo Júlio César, Samaris e Jonas justificam amplamente o dinheiro investido e se isto não é péssima política desportiva, não sei o que será... E o Benfica, no meio em que está inserido, não pode gastar inúmeros milhões em incógnitas e/ou promessas. Tem de reduzir o nº anual de aquisições e sempre "pela certa".

- Perante estes péssimos números, a opção de apostar na juventude é acertadíssima. É inevitável e uma urgência... E é a única maneira de obter ganhos mais profícuos. Cortam-se algumas deduções aquando das vendas e esperamos que encurtem os números nas péssimas aquisições. Vejamos: "Perdemos" em deduções cerca de 25% do valor de venda de Enzo. Com Cancelo, "perdemos" só 17%. Certo, o valor recebido pelo argentino foi maior. Mas do recebido, pode-se deduzir o custo da compra, enquanto o português foi de "borla" e sem ser titular. Logo, tem de se apostar na formação!

- Porém, nesta época verificamos que o disparate continua: 9M€ Jiménez + 3M€ Taarabt + 3.4 Carcela= <15M€ em jogadores perfeitamente dispensáveis e que não mostraram previamente a qualidade necessária para envergar a nossa camisola, evidenciando que o rigor simplesmente não existe. Urge por isso continuar a inversão de política desportiva, continuando a apostar nos miúdos e ser muitíssimo selectivo nas aquisições. Exemplo: o dinheiro gasto nos 3 jogadores mencionados serviriam para comprar um lateral esquerdo de valor indiscutível (algo que em 10 anos o Benfica só por uma vez fez com Léo), bem como um 6 ou um 8 de qualidade insuspeita. Ao invés disto, optou-se por negócios altamente discutíveis. Sobretudo, Taarabt e Jiménez. Onde anda a prospecção? Ou a responsabilidade é da famosa estrutura ou de ninguém?

- Fugindo um pouco ao tema, decisivo nestas contas seria dar mais poder a Rui Vitória ao nível das aquisições. Sou apologista disso, pois duvido que este plantel tenha "dedo" do técnico. É urgente que Vieira largue a "pasta futebol" e a entregue a outrem (Rui Costa novamente?). Se por um lado, considero, por exemplo, a aposta em Renato Sanches muito positiva, o peso da formação só pode ser consubstanciado se, e só se, existirem titulares de enormíssima qualidade. Isso não acontece hoje. E foi nisso que o Sporting falhou durante vários anos. A sportinguização só se dá se não tivermos um 11 fortíssimo e os miúdos segundas linhas prontas a avançar. Não podemos ver um puto como Nélson Semedo lesionar-se e ficarmos sem opções de qualidade para o 11, tendo de "inventar" Clésio. Isso sim, é sportinguizar! Por exemplo, Gonçalo Guedes terá em Salvio um bom exemplo de crescimento.  Logo, porquê Carcela, não é? Sanches deveria olhar para Samaris como "o seu mentor", na perspectiva em que o jovem benfiquista e o grego concorrem ao mesmo lugar. Um titular de insuspeita qualidade e um miúdo de enorme potencial! Não podemos por na miudagem o peso de resolver tudo... E contratar, só quando não exista melhor no Seixal ou quando o titular seja o miúdo e não exista mais ninguém.

- Ao nível financeiro puro e duro: a redução do passivo em 20M€, que ainda assim apresenta um valor altíssimo, mas ao contrário do exercício anterior, o Activo já é superior em cerca de um milhão de euros. Ora neste momento perante a marcha dos números para território positivo, vivemos uma era de charneira: como conciliar o sucesso desportivo com a consolidação das contas? E se tal é possível neste momento? Esse é o desafio de Vieira. O modo como terminar esta época terá um fortíssimo peso no próximo R&C e veremos então a capacidade da "Estrutura", em conseguir aliar o sucesso às finanças. Ou se o eventual insucesso vai levar a um agravar das contas. É que é notório que o actual passivo foi, em grande parte, à custa das fortes apostas desportivas. Lá está, o segredo será sempre o rigor absoluto: na aposta na formação e nas aquisições. Algo que pouco tem acontecido.

- Por fim, cumpre dizer que se Vieira conseguir continuar o sucesso desportivo das duas últimas temporadas, aliado à consolidação da actual marcha das contas, tendo alterado conscientemente o paradigma desportivo, aí sim, será um dos grandes Presidentes da nossa História. Até agora, não creio que esteja nesse patamar. É certo que levantou o clube. Mas não era essa a sua obrigação como presidente? De gerir bem o clube? E note-se: isso é já passado! E os seus mandatos coincidiram com grande fulgor europeu do FCP, com um passivo a galope. Por isso, esperemos pelo exercício e Maio de 2016 para aferirmos da posição de Vieira na nossa História.

- Para reflexão: se o rigor tem sido pouco e mesmo assim os números são interessantes, imaginem como seria se existisse efectivo controlo nos gastos da política desportiva?

Off topic: Uma questão: mais quantos penalties serão precisos para que Lopetegui comece a atacar as arbitragens nos jogos do Sporting e para que repita a histeria anti-Benfica do ano passado?

12 comentários:

F.L. disse...

A política de contratações dos últimos anos no Benfica é feita de uma total incompetência roçando a boçalidade. E estou querendo ser moderado, não possuo provas para acusar a Direcção de negócios escuros, como alguns acusam. Não tenho provas para isso.
Exemplo da incompetência é falta crónica de um lateral esquerdo de qualidade. Já virou novela. Que raio, não haverá ninguém dentro da tal estrutura com dois olhos na testa que veja isto e que resolva???
Milhões e milhões gastos estupidamente (lá estou eu a ser simpático), e não há dinheiro para gastar em dois ou três jogadores que entrem directamente e acrescentem valor à equipa?
Muito terá de mudar ou iremos regredir.

Cumprimentos, Red Army

RedAtheist disse...

E o que eu quando falo com os meus amigos constantemente digo,a politica de contractacoes do SLB e ridicula e danosa para o nosso futuro.So nao concordo na parte dos 3 jovens que sairam por 15M,que provas mais queres tu que foi mesmo 15M por cada 1?E preciso estar de ma fe para continuar a insistir que nao foi os 15M,e so ver por exemplo quanto pagou o Man Utd por Martial e perceber que hoje em dia os jovens jogadores com potencial sao caros.

Red Army Officer disse...

Mas em lado nenhum eu digo que o Benfica não recebeu os 15M€. Bem pelo contrário. Só que parece estranho, muito estranho, que todos valham o mesmo. Ou não? E aceitando a comparação com o Martial, questiono-te: porquê todos terem o mesmo valor? Acreditas mesmo que o Cancelo valia 15M€? E depois levanto outro ponto: o custo noutras transferências. Por exemplo: parece-me tão ou mais estranho o Benfica ter pago 6M€ por 50% do Pizzi. E a ti, não te parece estranho?

RedAtheist disse...

Nao sei explicar porque todos o mesmo valor,so digo se vem no R&C e porque e verdade.Em relacao ao Pizzi e tambem ao Raul Gimenez penso que os valores estao muito inflacionados mas nao consigo relacionar as vendas dos 3 jogadores da formacao com estas compras.Mas vamos supor que esta relacionado,isso tera entao a haver com negociatas com o Mendes porque os clubes sao diferentes.Volto a referir que nao consigo entender a politica de contractacoes do clube e pergunto quem alem de LFV tem responsabilidades nestas compras.Sera JJ ou Rui Costa ou Domingos Soares Oliveira.Todos eles ou so 1 deles.Aqui esta um ponto que qualquer critica construtiva tera de mim concordancia.

Red Army Officer disse...

E eu não relaciono esses negócios. Apenas digo que esses valores não são normais. E estou curioso em saber se isso terá custos noutros negócios. E a crítica que levanto aqui é isso mesmo, creio: construtiva. Pois repara: falo sempre que é imperativo ter mais rigor, algo que em minha opinião não tem existido. Embora este R&C não esteja desprovido de pontos muito positivos, demonstra que existe, ao nível da política de aquisições, grande descontrolo. E perante os nºs, como não seriam eles se houvesse rigor, ein, caro RedAtheist?!

RedAtheist disse...

Seriam muito melhores sem duvida,tanto no aspecto finaceiro como no desportivo.Concordamos em alguns pontos e o mais importante e que ambos queremos o melhor para o SLBenfica.

Red Army Officer disse...

Sem dúvida. Pena que muitos considerem qualquer tipo de crítica que não seja positiva como "abutrismo"... Forte abraço!

moleculasdeamor disse...

Sou um fortíssimo crítico de LFV no que à gestão desportiva diz respeito! Ele sempre mostrou esta inabilidade desde o principio. Devemos ter uma taxa de aproveitamento no que concerne á qualidade dos atletas contratados na ordem dos 20% (desde tempo em que era director desportivo). Qualquer um de nós manteria a estrutura dos planteis e venderia 2 ou 3, na pior das hipóteses 4 jogadores por ano e contrataria outros tantos atletas por um preço inferior em 50% às mais valias, isso é tão óbvio... e no entanto assistimos a isto, estes maus negócios obviamente acabam por aumentar o passivo indirectamente porque os fluxos financeiros não abatem na divida nem acrescentam valor ao plantel, qualquer pessoa com 2 dedos de testa só pode estar estupefacto com esta situação! é o que se passa comigo, mas esta ideia já me acompanha há cerca de 6 ou 7 anos, começou com a venda "intempestiva e pouco profissional, na gestão do plantel (no meu entender)" de Simão Sabrosa e Manuel Fernandes, que também na altura não foram convenientemente substituídos, a partir desse momento comecei a prestar atenção à gestão desportiva dos planteis. No entanto já existiram um ou 2 anos em que a gestão foi correcta. A nossa sorte foi termos à frente do SLB o JJ como treinador, ganhámos por causa dele... e sem questionar Vitória (que começo a questionar quer pela forma como a equipa não joga quer pela maluquice de lançar tudo o que é da formação) este está a milhas de JJ, só vejo e Marco Silva capacidade para lidar com este caos que é o plantel do Benfica.

Fenómeno disse...

Deixa-me só corrigir uma coisa: tivémos outro lateral esquerdo digno desse nome: Fábio Coentrão!

De resto, concordo contigo, quando mais não valeria gastar 10M€ em 2 jogadores que 26M€ em pés de chumbo? Até o Samaris, que custou 10M€, não o achando top é claramente um jogador mais da equipa...

Esta declaração está muito incompleta, quando metem os custos contabilísticos, de intermediação e de partilha de passes todos ao barulho, é mesmo de quem não quer mostrar nada.

Fenómeno disse...

Ah, e quando vejo um Jimenez por 9M€, ainda mais duvido das vendas de 15M€

Red Army Officer disse...

Caro Fenómeno, nota que eu referi que contratámos apenas um, deixei o Coentrão propositadamente de fora, pois adaptado posteriormente. Repara ainda que Siqueira veio só por empréstimo. Daí que contratar, só mesmo Léo. Ab

rui disse...

o slb só devia contratar em 2 situações: 1º se o jogador garantir que será vendido com muito lucro e/ou 2º se garantir que jogará na equipa inicial em pelo menos 20 jogos por época. Assim não haveria críticas, parece-me que serão condições fáceis de perceber.

Enviar um comentário

Debatam... Discutam as ideias. Não insistam no ataque e ofensa pessoal. Apresentem argumentos válidos a favor ou contra. Fora isso, será removido.