quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Quando o silêncio é de ouro... (com link para a reportagem sobre o processo a JJ)

... há que ter armas bem afiadas. Ou neste caso, as garras!

Digo isto, a propósito do processo que deu entrada no Barreiro. A resposta a Bruno de Carvalho só pode ser dada em tribunal e no relvado. O resto é a caravana rumo ao 35º título de campeão da nossa história! Mas, e como em tudo na vida, há um mas, o Benfica não pode ficar totalmente imóvel perante a vilania de um indivíduo cujo intuito é que se fale dele e que se desvie o foco do futebol. Quer afirmar-se perante os próprios adeptos, apelando ao sentido mais primário dos próprios, segundo Oliveira e Costa, e ganhá-los. E afirmar-se no futebol nacional. Quer começar o jogo antes do apito inicial. É clarinho. E tudo à nossa custa. Ao Benfica cabe desmontar, em sede própria, as mentiras e as insinuações desse crápula. Senão fica o silêncio. Incómodo!

Uma das sedes próprias a que me refiro é a barra de tribunal. O processo a Jesus é só o 1º passo, espero. Todavia, os processos em tribunal não são como os jogos de futebol, onde tudo pode acontecer. Óbvio que há factores imprevisíveis, mas dura lex, sed lex! Ou seja, há regras e procedimentos bem específicos. E há a noção de certo e errado, o legal e o fora da lei. E o Benfica vai mesmo avançar para tribunal, contra o Sporting, por intermédio de Jesus. E quando se pedem 14 milhões de euros é bom que se vá bem documentado e com a lição bem estudada! Senão caímos no ridículo. Um departamento jurídico como o do Benfica não pode avançar para uma empreitada destas sem ter a plena certeza de que a vai ganhar. Ou pelo menos, sem a construção bem sólida do caso, à prova de imprevistos. Senão lá está, caímos no ridículo e o Sporting vence onde pensamos que não deveria vencer e ficamos indubitavelmente fragilizados e sujeitos a mais acusações e suspeições. E ficamos na dúvida, sem saber o que afinal se passa! Pois não bastará pensar que estamos cobertos de razão... (ndr: leiam a revista Sábado onde consta tudo sobre o processo a Jesus, aqui)

O Benfica tem optado pela aparente prudência do silêncio. E porquanto não nos restam outras alternativas que não confiar na estratégia que Vieira está a seguir. É que eu não compro a tese do "o que vem debaixo não nos atinge". O silêncio é (tem mesmo de ser) estratégico, enquanto se preparam as devidas respostas, em sede própria à anormalidade desse gordo de m*rda! É que se optarmos apenas por silêncio e altivez perante o que é dito e escrito, teremos o nosso nome enlameado e não podem haver limites à defesa do nosso bom nome. Se a ideia é o silêncio pelo silêncio, sou obrigado a ir pelo "quem cala, consente". E sinceramente se se comprovarem as suspeições do gordo e se não avançarmos na defesa do nosso nome, tenho de ficar de pé atrás. O Benfica tem de estar acima de qualquer esquema de batota, corrupção ou de xico-espertismo! E por isso, como para já tenho para mim que estamos mesmo acima disso, temos de encostar essa lagartagem à parede. À parede do tribunal mais próximo, claro!

Resultado de imagem para GuerraQuem não se convence que guerra é total, com o jogo da próxima jornada a ser meramente mais uma batalha, está enganado. Nunca se viu isto no futebol indígena. Nem nos tempos da acirradas trocas de galhardetes entre Benfica e Porto. A cegueira desse indivíduo pode levar a actos de consequências imprevisíveis. E é bom que os benfiquistas, sobretudo as famílias, se mantenham atentos ao destrambelhamento dessa gente mais radical. 

Por fim, a apologia do verdadeiro benfiquismo! Leiam mais um brilhante texto do blogue Em Defesa do Benfica e percebam que tipo de gente anda dentro do nosso clube e o que lhe fazem. É aqui!

3 comentários:

mg disse...

Os meus conhecimentos de Direito ja estao um pouco la atras nos tempos da Universidade, mas tenho algum receio que este processo nao tenha realmente pernas para andar. E se for esse o caso, estamos a dar o flanco as osgas e a tornar-nos mais vulneraveis. Ainda assim, isto e caso para andar varios anos pela barra dos tribunais, a semelhanca do que aconteceu nos casos do Paulo Sousa, Pacheco ou Miguel.

Anónimo disse...

...ó mg.....cantas bem....mas não alegras......claro que A EMPRESA DE ADVOGADOS (e, não advogados do CLUBE ,que é diferente)anda a brincar em serviço........SÓ, PORQUE SIM, resolveram avançar no tribunal.....mas já agora diz lá O QUE SABES......

pedro nuno disse...

Segundo Record apurou, o presidente do Sporting e o ainda treinador do Benfica vinham estabelecendo contactos ao longo dos últimos meses. O regresso de Labyad aos leões, noticiado pelo nosso jornal a 5 de maio, já terá sido uma das exigências feitas por Jesus a Bruno de Carvalho. Não foi a única.
Esta noticia é de 4 de junho de 2015.

Enviar um comentário

Debatam... Discutam as ideias. Não insistam no ataque e ofensa pessoal. Apresentem argumentos válidos a favor ou contra. Fora isso, será removido.